A sabedoria da natureza, saiba como funciona uma horta agroflorestal, quais são os frutos da época e uma receita deliciosa para vários momentos do dia usando ingredientes da estação. 

Você vai precisar de:

300g de Inhame cozido
150ml de Naveia
3 colheres de sopa de azeite
2 colheres de chá de sal
1 colher de chá de cúrcuma em pó (opcional)
1 colher de chá de levedo de cerveja ou levedura nutricional(opcional)
sumo de 1 limão
1 xícara de aveia em flocos ou de farinha de trigo
1 colher de sopa de fermento biológico

algumas opções de sabores:

Cubinhos saborosos -> ½ xícara de abobrinha em cubinhos, ½ xic de cenoura em cubinhos e uma colher de sopa de semente de gergelim
Ginger adocicado -> uma xícara de abóbora em cubos, 2 cm de gengibre ralado e uma cebola roxa picadinha
Verde delícia -> um alho poró em rodelas, uma xícara de brócolis picado, 2 dentes de alho fatiados e pimenta do reino a gosto


Modo de fazer :

1- Escolha os legumes, faça um refogado com um pouco de azeite e sal e reserve.
2- Bata no liquidificador o inhame cozido, Naveia, azeite, sal, sumo de limão, cúrcuma em pó e levedo de cerveja.
3 – Em uma tigela grande misture bem o creme feito com o inhame, a farinha de trigo ou flocos de aveia, o fermento e o refogado com o sabor que escolheu.
4- Coloque nas formas de muffin, rende aproximadamente 6 unidades. É possível fazer em outro tipo de forma mas o tempo de cozimento poderá ser maior.
5- Asse no forno pré-aquecido a 200ºC por maios ou menos 30 minutos.
6- Espere esfriar antes de desenformar.


Outono é época de:

Inhame, Batata doce, abóbora, abobrinha, gengibre, cenoura, beterraba, alho poró, brócolis, cúrcuma, berinjela, agrião, cebola roxa, chuchu, espinafre, jiló, mandioca, batata baroa, nabo, rabanete, abacate, atemoia, banana, caqui, kiwi, uva, tangerina, mamão, laranja, graviola, carambola, figo e maçã.


Saiba como funciona uma horta agroflorestal!

  Diferente da horta convencional onde estamos acostumados a ver cada espécie de planta em um canteiro diferente, na horta agroflorestal temos alface, couve, milho, rúcula, tomates, cebolinha, salsa, berinjela, alho poró, brócolis, abobrinha e várias outras plantas juntas em um mesmo canteiro.

Dessa forma, com apenas um plantio temos várias colheitas ao longo do tempo, otimizamos o espaço porque as plantas se encaixam em diferentes “andares” (estratos) e conforme vamos colhendo abrimos espaço e deixamos mais luz do sol disponível para outras espécies que vão se desenvolver na sequência.

Outra informação interessante é que cada espécie busca no solo alguns nutrientes e libera nele outros. Também há comunicação entre as plantas através de sinais de crescimento, troca de nutrientes e de hormônios que são liberados através das raízes. Essa biodiversidade do canteiro agroflorestal deixa o solo mais nutritivo, e o alimento também. Diferente de uma monocultura onde as plantas buscam os mesmos nutrientes, deixando o solo exaurido por sucessivos replantios.

O solo na horta agroflorestal fica sempre coberto com a matéria orgânica triturada proveniente de podas das árvores, assim mantém maior umidade, economizando irrigações e ao mesmo tempo protege o solo da radiação solar que mata os microorganismos, importantíssimos para que ocorra a troca de informação e nutrientes, chamados de “INTERNET” das plantas, e para que haja uma boa decomposição da matéria orgânica. Essa ciclagem de nutrientes dentro do próprio sistema deixa o solo cada vez mais fértil, nutritivo e abriga cada vez mais a microvida que transforma tudo o que já está morto em nutrientes na forma de minerais prontos para as plantas absorverem.

Nas monoculturas convencionais e até mesmo em alguns plantios tradicionais, a matéria orgânica cessa o seu ciclo infinito quando as árvores deixam de fazer parte do sistema de plantio e os nutrientes vão ficando escassos e as plantas enfraquecem e adoecem. Com a volta das árvores para os plantios, esses nutrientes que foram perdidos para as profundezas da terra voltam para a superfície através das práticas de cobertura do solo com galhos, folhas e troncos de árvores que buscaram com suas raízes nutrientes perdidos há muito tempo em profundidade de vários metros. O ciclo da vida se restabelece e pouco a pouco a terra vai acumulando nutrientes que fortalecem as plantas que crescem. 

A cada replantio mais podas são necessárias, mais nutrientes voltam para terra, mais alimentos saudáveis crescem e vão parar na nossa mesa. É a inteligência da natureza, quem já viu o resultado desse tipo de agricultura fica encantado com os resultados desse trabalho integrado com a natureza, em favor dela e inspirado nela. Vida que cresce, vira floresta e que se renova continuamente.

Compartilhado:

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.